domingo, outubro 21, 2007

Ataques à Europa a partir de Angola?
- Já em 2003 o NL levantou a questão

O Semanário Angolense, que continua ter o seu director preso, interroga-se sobre a possibilidade de poderem partir de Angola aviões terroristas (leia-se aviões da TAAG destinados a actos terroristas) com a finalidade de atacar objectivos ocidentais.

Espanto? Talvez sim, para os menos atentos.

No dia 18 deFevereiro de 2003, sob o título “Iraque e Al-Qaida recrutam mercenários em todo o lado”, o Jorge Castro (por andas, meu velho?), então chefe de redacção do Notícias Lusófonas, escrevia que “uma investigação do NL, concentrada sobretudo em Luanda, permite concluir que organizações que trabalham com alguns países árabes, sobretudo com o Iraque, recrutaram operacionais para «fazer alguns serviços» no exterior, mormente na Europa. Para além de angolanos, há também portugueses que foram contactados no sentido de «levar algumas encomendas para pontos estratégicos da Europa». Ao que tudo indica, Saddam e Osama bin Laden vão adoptar uma nova estratégia de resposta a uma eventual guerra: espalhar atentados por tudo quanto é sítio”.

Já em 2003 o NL alertava para que qualquer coisa se estava a passar. Desde então, Saddam foi liquidado, mas Bin Laden anda por aí e os seus fiéis seguidores também.

Jorge Castro escrevia nessa data que “o recrutamento em Angola «está ser feito – segundo um ex-oficial português que lutou ao lado de um dos movimentos na guerra angolana – junto de altos quadros militares, tanto da UNITA como do MPLA, que agora foram desmobilizados e que a troco de muito, muito dinheiro, se prestam para esse serviço”.

Aguardemos os próximos episódios…

2 comentários:

ELCAlmeida disse...

Pelos vistos estamos fora mas temos a mesma preocupação como me relembraste no meu apontamento.
E sobre a rota dos "islâmicos", nomeadamente da Al-Qaeda em Angola recordo, que num artigo meu publicado no Notícias Lusófonas (por acaso como Manchete) "Rota africana da Al-Qaeda passa também por Angola" este assunto era igualmente abordado.
2003, 2005 e 2007, a mesma preocupação. Será que o governo angolano está distraído. Quero acreditar que sim!

Adriano Fernandes disse...

sem palavras....
acho que esse asunto merece um investigação profunda.URGENTE.