terça-feira, Março 27, 2007

Angolanos de primeira (MPLA)
e de segunda (todos os outros)

Os angolanos já assimilaram que só um povo informado consegue ser livre. Vai daí, alguns passaram do oito para o oitenta esquecendo que a liberdade de uns termina onde começa a dos outros. Tal como fez, em 2001, o então secretário para as relações exteriores do MPLA, Paulo Teixeira Jorge, ao dizer que Governo português, não deveria permitir que "portugueses de ocasião" interferissem nos assuntos internos de Angola, catalogam agora de “angolanos de ocasião” todos os que dizem algo que seja diferente da verdade oficial.

Na altura, creio que Paulo Teixeira Jorge ainda não teria ouvido falar de democracia. Não sabia o que era e, por isso, julgava-se no direito de dar palpites sobre um Estado de Direito, algo que não se podia dizer (ainda não se pode) a propósito de Angola, em cujos quintais proliferam acéfalos do tipo do secretário do MPLA.

"Existe o princípio universal da não ingerência nos assuntos internos (de outro Estado) e eu creio que Portugal, através dos órgãos competentes, poderia recomendar a esses ditos portugueses (elementos afectos à UNITA que vivem em Portugal) para não se meterem nos assuntos internos (de Angola)", afirmou Paulo Teixeira Jorge, referindo-se ao facto do relatório do então mecanismo de fiscalização das sanções contra a UNITA apresentar Portugal como a principal base de apoio do movimento de Jonas Savimbi na Europa.

E, a fazer fé no muito que se vai lendo, as teses de Paulo Teixeira Jorge fizeram escola.Portugal hoje, como em 2001, convirá que todos o entendam de uma vez por todas, é uma nação livre. Coisa que não existe em Angola. Lá, por ordem dos amigos deste ou de qualquer outro secretário do MPLA, nem existe nação nem liberdade.

Seja como for, todos aqueles que catalogam os angolanos em duas classes, os de primeira (afectos ao MPLA) e de segunda (afectos aos outros partidos), devem perceber que angolano não é sinónimo de cor ou de filiação partidária.

"... Eles são portugueses de ocasião, fundamentalmente são angolanos que se tornaram portugueses depois da evolução da situação em Angola", afirmou na altura Paulo Teixeira Jorge, para quem o Governo português também deveria "chamar a atenção" dos elementos da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC) que se encontravam em Portugal.

Paulo Teixeira Jorge também disse que Angola deveria "rever as relações bilaterais" com Portugal na sequência das conclusões do relatório do mecanismo de fiscalização das sanções contra a UNITA.

Na altura, importa recordá-lo, nas declarações que prestou à Rádio Nacional de Angola, Paulo Teixeira Jorge também criticou as posições que a Igreja Católica tinha tomado no âmbito do processo de paz, considerando que "num Estado laico, a Igreja não pode permitir-se interferir nos assuntos do Governo".

Ontem, tal como hoje. Ninguém pode interferir com a lei da selva imposta pelo MPLA. Portugal interfere com Angola, a Igreja interfere com o Governo.

Na altura, importa recordá-lo , referindo-se ao facto do presidente da Conferência Episcopal de Angola e S. Tomé (CEAST), D. Zacarias Camuenho, ter defendido a necessidade de um cessar-fogo bilateral para acabar com a guerra, Paulo Teixeira Jorge afirmou que "D. Zacarias Camuenho devia preocupar-se com os problemas da Igreja, que não são poucos, já que o resto não era da sua competência".

Mais palavras para quê? É por estas e por outras, é por este e por outros, que os angolanos continuam a vegetar, enquanto os dirigentes vivem, continuam a viver, à grande. Até um dia.

1 comentário:

ELCAlmeida disse...

Os cães - que estes me desculpem a ofensa - ladram e a caravana passa.
Para uns sou um porco tuga, para outros um sujo angolano.
Daí que me sinta feliz por saber que não agrado a gregos nem a trioanos. Só a Angolanos como meu!
Kdd
EA