sexta-feira, Março 23, 2007

A política africana é fascinante!

Angola está quase a ultrapassar a Nigéria como principal produtor de petróleo de África. Angola é uma potência regional emergente e isso sente-se nos países vizinhos. Foi Angola quem pôs Joseph e Laurent Kabila no poder, no Congo Democrático (que raio de designação para um país daqueles…) e que sustentou esse regime “dinástico” durante a guerra civil.

Angola fez o mesmo no outro Congo plus petite, idem para o Zimbabwe.

Angola não se inibe de provocar quedas de regimes que não lhe convenham. Foi o que fez com todos os que apoiavam Savimbi, só falhando o golpe de estado que preparou na Zâmbia.

Nos países onde a pressão da comunidade internacional consegue a realização de um simulacro de democracia, com eleições gerais mais ou menos livres e justas, os “cavalos” angolanos vencem sempre.

Muitas vezes, os derrotados acabam por aceitar integrarem-se no sistema, talvez convencidos de que os deixarão comer na alta manjedoura do poder.

Mas não. Há sempre um acidente comprometedor para futuros tão promissores… foi o que aconteceu com John Garang, no Sudão, é o que pode vir a acontecer com Jean Pierre Bemba no Congo, ou com Morgan Tsvangirai no Zimbabwe, se não se põem a pau.

A política africana é fascinante!

Nota: Este texto é da autoria do Jornalista Carlos Narciso e foi publicado em http://blogda-se.blogspot.com/. É, na minha opinião, uma das mais brilhantes análises ao que se passou, ao que se passa e – é claro – ao que se vai passar um dia destes.

2 comentários:

ELCAlmeida disse...

E já começou...
(Ah! brilhante o trabalho sobre Timor-Leste [como se houvesse necessidade de felicitar o que é mais que normal] e as próximas eleições)
Kandandu
EA

Eduarda Santos disse...

Análise brilhante! Que pena o tal famigerado poder de Angola não poder ser aplicado, também, na Europa... talvez certos governos e eleições tivessem finais tão felizes como os da Republica Democrática do Congo, etc. etc. As dores de cotovelo são irritantes, né?
Que grande trapalhada... Angola cumpriu com seus compromissos para com aliados que ajudaram angolanos a ser independentes. Ou será que Angola deveria apoiar os racistas sul africanos, os americanos e os enfeudados e enganados portugueses que patrocinaram e compraram o famigerado Jonas, que Marcelo Caetano apoiou na criação do não menos famigerado gang de vende-pátrias denominada UNITA? Sejam verdadeiros e entendam o que é ser honesto para com os verdaeiros parceiros africanos da amizade e solidariedade.
Eduarda Santos