sábado, setembro 03, 2011

E no reino do MPLA… até pensar é crime


Quem faz o MPLA prosperar e em troca recebe fuba podre, peixe podre, panos ruins, cinquenta angolares e porrada se refilares?

Foram apenas algumas centenas os que hoje se manifestaram em Luanda. Levaram porrada por, pacificamente, dizerem o que pensavam. Esqueceram-se que pensar é um crime contra a segurança do Estado.

E como regime angolano até sabe o que a maioria dos angolanos pensa, não tem dúvidas de que eles – mesmo que em silêncio – são culpados até prova em contrário.

O MPLA, o regime angolano, Eduardo dos Santos (são uma e a mesma coisa) fingiram não estar muito preocupados com a manifestação de hoje. Acreditam, e é verdade, que quem tem cu… tem medo. E para mostrar aos mais ousados quem manda no reino, as forças da ditadura (militares, polícias, serviços secretos e conselheiros estrangeiros) estiveram a controlar tudo.

À comunidade internacional o MPLA assegura que está a fazer tudo para reforçar o Estado Democrático e de Direito e garantir aos angolanos a construção de uma pátria em que cada um se reveja e sinta prazer em viver.

Dizem igualmente os donos do poder desde a independência em 11 de Novembro de 1975, que o processo de reconciliação nacional continua a decorrer de forma sólida o que, na avaliação do regime, permite que os angolanos acreditem no futuro e na sua paulatina melhoria das condições de vida.

Acrescenta igualmente o regime, comandado por um presidente (José Eduardo dos Santos) não eleito e há 32 anos no poder, que a paz tem permitido aos angolanos o usufruto do direito a segurança, a estabilidade e a livre circulação em todo o território nacional.

Por outro lado, ainda segundo os vencedores, a paz tem facilitado o processo de reconstrução e de criação de infra-estruturas para o desenvolvimento, o que tem sido constatado de forma entusiasta por todos os clientes, não tanto pelos angolanos (digo eu).

Esta confiança, diz o MPLA, assenta na convicção de que os angolanos serão capazes de reconstruir a Pátria, propiciando a criação de condições que permitam erradicar a pobreza e promover o desenvolvimento e o bem estar dos angolanos.

Há nove anos que o MPLA deixou de ter desculpas. Diz, contudo, que é pouco tempo. Diz também que o facto de estar há 36 anos no poder não conta porque a maior parte desse tempo o país esteve em guerra.

Então, sem guerra e com o petróleo a jorrar por todos os cantos e esquinas, quantos mais anos serão precisos para que, entre outras coisas, a maioria dos angolanos deixe de viver na miséria?

O MPLA não diz quantas mais décadas serão precisas para os angolanos deixarem de viver na miséria. Creio, contudo, que serão precisos muitas e muitas. Se, em nove anos, o MPLA ainda não conseguiu dar os primeiros passos para integrar os angolanos de segunda (todos os kwachas)...

“O nosso coração não pode estar em paz enquanto virmos irmãos sofrerem por falta de alimento, de trabalho, de um tecto ou de outros bens fundamentais", disse o Papa, na cerimónia de despedida no aeroporto de Luanda. Ninguém do MPLA conseguiu perceber o que o Papa disse...

Demore o tempo que demorar, o MPLA terá sempre (ou pelo menos enquanto estiver no poder) a solidariedade de Portugal. Creio, aliás, que o MPLA possui algum tipo da kazumbiri que tolda a inteligência dos políticos portugueses. Ou é apenas uma questão de dólares, de macro-economia, de Sonangol e similares (Eduardo dos Santos & Família SA)?

De facto, como há já alguns anos dizia o Rafael Marques, os portugueses (bem como a comunidade internacional) só estão mal informados porque querem, ou porque têm interesses eventualmente legítimos mas pouco ortodoxos e muito menos humanitários.

Custa a crer, mas é verdade que os políticos portugueses (há, é claro, excepções) fazem um esforço tremendo (certamente bem remunerado e distante de qualquer operação “face oculta”) para procurar legitimar o que se passa de mais errado com as autoridades angolanas.

É por isso que ninguém recorda a Passos Coelho, Paulo Portas ou Cavaco Silva, que 68% da população angolana é afectada pela pobreza, que a taxa de mortalidade infantil é a terceira mais alta do mundo, com 250 mortes por cada 1.000 crianças.

Ninguém recorda que apenas 38% da população tem acesso a água potável e somente 44% dispõe de saneamento básico.

Ninguém recordar que apenas um quarto da população angolana tem acesso a serviços de saúde, que, na maior parte dos casos, são de fraca qualidade.

Ninguém recorda que 12% dos hospitais, 11% dos centros de saúde e 85% dos postos de saúde existentes no país apresentam problemas ao nível das instalações, da falta de pessoal e de carência de medicamentos.

Ninguém recorda que a taxa de analfabetos é bastante elevada, especialmente entre as mulheres, uma situação é agravada pelo grande número de crianças e jovens que todos os anos ficam fora do sistema de ensino.

Na verdade, quem melhor reflecte a situação angolana é Kundi Paihama, quando diz: “durmo bem, como bem e o que restar no meu prato dou aos meus cães e não aos pobres”.

Esta é, aliás, a filosofia basilar do MPLA. O que sobra não vai para os pobres, vai para os coitados dos cães.

E por que não vai para os pobres?, perguntam vocês, eu também, tal como os milhões que todos os dias passam fome. Não vai porque não há pobres em Angola. E se não há pobres, mas há cães…

Kundi Paihama explica: “Eu semanalmente mando um avião para as minhas fazendas buscar duas cabeças de gado; uma para mim e filhos e outra para os cães”.

Quanto aos angolanos, aos outros angolanos, citando de novo Kundi Paihama, que comam farelo porque “os porcos também comem e não morrem”.

Embora seja um exercício suicida, importa aos vivos não se calarem, continuando a denunciar as injustiças, para que Angola possa um dia ser diferente, ser de todos os angolanos.

“O Povo sofre e passa fome. Os países valem pelas pessoas e não pelos diamantes, petróleo e outras riquezas”, disse Frei João Domingos, numa pregação certamente só ouvida pelos peixes ou pelas welwitschia mirabilis.

Mas, como diria o camarada Eduardo dos Santos, a luta continua. Tem de continuar.

1 comentário:

Xavier Campos Joaqum disse...

rsrsrsrs. Muito legal. É o que muitas vezes digo para meus colegas, os angolanos não têm liberdade de expressão ,mas eles pensam que está tudo bem. E não é verdade isso. E o que resolve isso? Dar porrada no povo? Vai acabar fazendo novos herois. Oxalá que existam pessoas que cada vez insistam nesse processo de manifestações pq todos nós temos direitos segundo a Lei angolana.

Haja herois em Angola.
Força angola.Angola é para todos. Valeu amigao. Cuidado aí antes que te pegam no Zé du o REI DO MPLA.

XCJ