quarta-feira, novembro 25, 2009

Cultura em latas da Super Bock?

Dá-me um gozo especial a entrega amanhã pelo presidente brasileiro, Lula da Siva, da Ordem do Mérito Cultural 2009 a José Eduardo Agualusa e a Mia Couto. O MPLA deve estar virado do avesso. As verdades que Agualusa disse, diz e dirá sobre Angola não agradam ao regime.

E a este propósito permitam-me que recorde que o ex-ministro da Cultura português, António Pinto Ribeiro, disse no passado dia 10 de Junho que o empenho de Portugal no aprofundamento das relações económicas com Angola acaba por ajudar as relações bilaterais que existem na área da cultura.

Tinha razão. Aliás, as boas relações entre Portugal e Angola, entre o PS e o MPLA, ajudam a fortalecer tudo o que interessa aos dois países, não sendo exactamente o mesmo que interessa aos dois povos. Mas isso é outra cantiga.

A importância económica que Angola ganhou para Portugal, não era para o então ministro da Cultura, um entrave ao reforço das relações culturais porque, disse, “a língua é feita de contactos” e “quantos mais contactos existirem, independentemente das razões, mais se fortalece a cultura”.

Nem mais. Como todos sabem, as relações económicas e todas as outras que gravitam à sua volta nunca estiveram tão boas. Basta ver a fraternidade que existe entre os dirigentes quando se encontram nos areópagos da política ou nos hotéis de luxo.

“Sejam quais forem
as razões porque os portugueses vêm a Angola ou angolanos vão a Portugal melhor. Quanto mais razões houver para ir e vir, melhor é para o aprofundamento das relações culturais”, disse o ex-ministro do PS.

Não é bem para o “aprofundamento das relações culturais” como diz o ministro luso. Mas o que é que isso importa? Se calhar Pinto Ribeiro até tinha e tem razão. Cultura é tudo... o que interessa a quem manda. E como quem pode, manda...

Pinto Ribeiro defendeu mesmo que, sem o interesse económico, “não teríamos fundamento para tudo o que se faz no âmbito do aprofundamento das relações culturais”. Ora aí está. Cultura é tudo o que o poder quiser, seja literatura ou petróleo, pintura ou cervejas, teatro ou construção civil.

“As relações culturais e humanas baseiam-se no interesse recíproco dos povos, seja da memória, da procura de coisas novas, criar espaços de liberdade, de criatividade e de destino”, adiantou então, deixando claro que no seu entender o facto de Angola ser já o primeiro mercado de exportação para Portugal fora da União Europeia é um dado positivo para o aprofundamento das relações na área da cultura.

Esta coisa de misturar cultura com mercados de exportações não me parece a mais correcta. No entanto, reconheço, que os donos do poder, em Portugal e em Angola, tenham uma visão diferente. Por alguma razão eles são os donos, ou não é?

Pinto Ribeiro, sublinhando sempre a importância da língua nas relações entre os dois países, lembrou ainda que aquilo que Portugal “deixou no mundo de mais fecundo, de mais singular, foi a língua”.

Se calhar deixou outras coisas igualmente valiosas que, contudo, pouco servem hoje, tal é a avidez material de quem conjunga as relações entre povos na primeira pessoa do singular, esquecendo que o mais importante de tudo são, ou deveriam ser, as pessoas.

Mas como, tanto em Portugal como em Angola, as pessoas não são uma prioridade, o melhor é continuar a misturar Fernando Pessoa com a Sonangol ou José Eduardo Agualusa com a Super Bock.

3 comentários:

Fada do bosque disse...

O Orlando vai-me desculpar, mas isto não é só o que se passa em Portugal e Angola, é a nível Global.
Para mal dos meus pecados, sou daquelas pessoas com um espírito crítico exacerbado. Sou daquelas poucas pessoas, que viu em directo o 11 de Setembro e depois do choque passar e ainda durante a catarse pensei: dois aviões não deitavam assim as torres estruturadas de forma anti-sísmica, mais poderosa que alguma vez foi feita. As torres teriam de caír doutra forma caso os aviões fossem a causa, foram implodidas. Nada, mas nada, conseguiria entrar no espaço do Pentágono... não havia ponto fraco e o que entrou não foi um avião, foi um missíl.- A mulher está louca!- diziam uns... - Tu sempre tiveste a mania das conspirações! - diziam outros. Mas quanto mais eu via, mais convencida ficava de que nada batia certo e que os Masters andavam a tramar alguma coisa. Penso que essa catástrofe, foi provocada para põr à prova as experiências deles e testar até que ponto, tinham conseguido "hipnotizar" os seus súbditos, utilizando as descobertas de Pavlov, com as teorias de Freud, desenvolvidas por muitos outros cientistas (uma casta protegida) divulgadas e produzidas pelos Media, junte-lhes agora as drogas químicas e a mais alta tecnologia...
É de salientar, que até os regimes ditatoriais comunistas fechados como a China e a Rússia, aderiram a esse novo meio de condução de massas, pela via da sugestão e o terrível método de lavagem cerebral, que Estaline e Mao tinham reaproveitado de Pavlov para os humanos, foi rejeitado.
O acontecimento do 11/9 teve sucesso, causou medo, as mais variadas reacções negativas, mas poucos se questionaram da veracidade dos factos. A louca era eu e mais alguns como eu... uma minoria, portanto. A partir daí, meu amigo, acontecimentos em catadupa para o domínio das massas têm vindo a verificar-se. O que é certo, é que neste momento é tudo deles e nem sequer se dão ao trabalho de disfarçar ou esconder. A Democracia morreu, o capitalismo predador tem de terminar em função das condições do Planeta e a espécie humana não pode duplicar em duas décadas... vão jogar com isso, para pelo menos garantirem cá o seu lugar. De resto e infelizmente pouco há a fazer, fazem até questão de se mostrarem contentes com o mal do mundo, como foi o caso de Eduardo dos Santos, Cavaco Silva no post acima, é um conluio pegado e vai ver agora em Copenhaga... eu não espero grande coisa, ou nada até! Para eles a prioridade é reduzir a populção que a própria ciência ajudou a desenvolver e multiplicar.
Entretanto e antes que se dê o pior, estão a armazenar tudo o que é recurso e armamento. Valores, Cultura , Educação e Justiça, são palavras que a breve trecho, saem do dicionário ou tomam outros significados, como já se constata.
Pessimista ou realista? Eis a questão. Pois quando associo o Matrix ao que se está a passar acham-me doutro planeta! Estamos em Zion, infelizmente para nós Orlando.
Os outros chegarão lá... mais devagar, mas hão-de chegar... é que o Sistema vai "rebentar".

ELCAlmeida disse...

Deve estar do aveso não... Segundo mungimbos de Luanda, a Ministra da Cultura já fez saber que está contra a entrega do prémio a individualidades críticas do... Partido.
Subordinação mais subordinada começo a não conhecer igual...
Kdd
EA

emiliarebelo disse...

ola lando gostei cultura super bock continua a escrever a dar a comecer a este mundo cao em que vivemos