domingo, janeiro 06, 2008

Ou o galo voa ou vamos apanhar café

A 24 de Fevereiro de 2002 alguém disse: «sekulu wafa, kalye wendi k'ondalatu! v'ukanoli o café k'imbo lyamale!». Ou seja, morreu o mais velho, agora ireis apanhar café em terras do norte como contratados. Tirando os conhecidos exemplos da elite partidária, os soldados e simpatizantes da UNITA têm estado deste então a apanhar café, ou algo que o valha.

No rescaldo da guerra imediatamente a seguir à Independência, entre 1976 a 1978, houve uma brutal escassez de alimentos e a paralisação dos campos de algodão e café do norte de Angola.

Para fazer face a esse desafio, o governo de Angola reeditou a guerra do Kwata-Kwata, obrigando pela força das armas os contratados ovimbundos e ou bailundos (que outros poderiam ser?) a ir para as roças, sobretudo do norte de Angola.

Com a independência, os camponeses do planalto e sul de Angola sonharam com o fim do seu recrutamento forçado para aquelas roças. A reedição da estratégia colonial por um governo independente foi um golpe duríssimo na sua ilusória liberdade.

O líder da UNITA, Jonas Savimbi, agastado com a fraqueza e quase exaustão das forças que conseguiram sobreviver à retira das cidades, em direcção às matas do leste (Jamba), onde reorganizou a luta de resistência, aproveitou esse facto, bem como a presença de estrangeiros, para mobilizar os angolanos.

«Ise okufa, etombo livala» (Prefiro antes a morte, do que a escravatura ), dizia Savimbi aos seus homens, militares ou não.

E agora? Será que os seus discípulos preferem a escravatura de barriga cheia ou a liberdade com ela vazia? Será que se lembram dos que só foram livres enquanto andaram com uma arma na mão?

Em Setembro se verá se o galo voa ou se, mais uma vez, vamos apanhar café às ordens dos novos senhores coloniais.

1 comentário:

Rodrigo Sankhara disse...

Porque é que fico sempre com a impressão que os governos pós independência nas ex. provincias perderam a legitimidade e a moral da luta contra a antiga administração?

MPLA com os trabalhos forçados nos campos e a FRELIMO com os campos de reeducação/concentração...

Corrijam-me se estiver enganado, mas é a sensação com que fico.