quinta-feira, março 25, 2010

Para muitos foi há um ano. Para outros será
um dia destes quando o calor da noite quiser

Já lá vai mais de um ano. Tal como previsto, eu também estive lá. Eu e muitos outros. Faltaram, como era previsível, todos aqueles que se fecharam no pequeno tacho que ainda têm. Agradaram, obviamente, aos capatazes.

Embora tenham metido o rabinho entre as pernas e com ar dócil tenham dito umas dezenas de améns, podem ficar descansados que quando estiveram na mesma situação dos que, há um ano, mostraram ter o que os outros não têm (coluna vertebral), nós estaremos lá a dar apoio e solidariedade.

Quem labuta nesta profissão com ética e liberdade sabe bem que ela está cheia de escumalha, escória, ralé e por aí fora, sobretudo a nível dos que têm o poder e dos que, na esperança de um prato de lentilhas, aceitam ser capachos (“pessoa que se curva servilmente perante aqueles de quem depende").

Sei desde há muito, mas sobretudo desde a altura em que mercenários tomaram conta quer da profissão quer dos jornais que transformaram em linhas de enchimento, que os verdadeiros jornalistas têm a sobrevivência no fio de uma navalha que é manipulada por sipaios acéfalos que tudo fazem para agradar aos chefes do posto.

E porque, naturalmente, todos queremos sobreviver e ter uma vida digna, a quase todos os que ainda têm coluna vertebral resta deixá-la em casa e integrar as linhas de montagem onde coabitam quer jornalistas quer autómatos.

Eu sabia que eram poucos os que têm coluna vertebral e que sabem que só é derrotado quem deixa de lutar. Mas enganei-me. Pelos vistos já não sou poucos... são menos ainda.

Um dia destes, voltarei a dizer que estive lá para dar apoio e solidariedade aos que, há um ano, se estiveram nas tintas em relação a 119 colegas.

Mas, será que estarei? É que a paciência para aturar cobardes tem limites. Mas pode ser. Ainda acredito que por lá haverá três ou quatro recuperáveis.

1 comentário:

Fada do Bosque disse...

do fb... tem sido comentado...

Vanda Cardoso- e pessoas de bem.... Minha querida Helena Alves Araújo, o que penamos por seguir esse caminho. Sim, passaram-me esses valores, fui criada por pessoas de bem! Passo-os (os valores) ao meu filho! Mas o que se sofre, o que nos afogam E TENTAM SILENCIAR, o que nos atraiçoam, malvados tod@s os que não são pessoas de bem! OS QUE LUTAM PELO BEM, NÃO PODEM ESTAR EM SILÊNCIO.Um Abraço
há 4 horas ·

Helena Alves Araújo
Vanda como a compreendo!... Obrigada pelas suas palavras de ânimo.
Um abraço também para si... :)

Vanda Cardoso
Outro e bem haja por escrever e estar atenta!

Helena Alves Araújo
Vanda, não é da minha autoria, mas sim de Orlando Castro... publico tudo o que escreve pois partilho as mesmas ideias. De qualquer forma obrigada e bem haja, para si Vanda, também! :))

Miguel Gomes Coelho
Como o Orlando, é óbvio...