terça-feira, agosto 18, 2009

No Burkina Faso a coisa está linda!

«O clima psicológico que se vive no Palácio de Belém é de consternação e a dúvida que se instalou foi a de saber se os serviços da Presidência da República estão sob escuta e se os assessores de Cavaco Silva estão a ser vigiados, confessou ao PÚBLICO um membro da Casa Civil do Presidente.

Este clima instalou-se depois de a perplexidade ter atingido aqueles que trabalham com o Presidente da República, quando tomaram conhecimento das declarações, ao PÚBLICO, dos dirigentes do PS José Junqueiro e Vitalino Canas denunciando que havia assessores de Cavaco Silva a participarem na elaboração do programa do PSD.»


In:
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1396571&idCanal=12

4 comentários:

Fada do bosque disse...

Segundo Frederico Duarte de Carvalho no seu blogue "para mim tanto me faz" parece que a memória do povo é curta... cá vão as suas palavras:

m
20090818
"Républica" no Google View
Para matar algumas saudades da terra fui espreitar o recém-estreado Google View. Aquilo tem piada e poderá ser bastante útil. Por exemplo, deparei-me com este senhor a atravessar a rua fora da passadeira, em frente ao El Corte Inglés...




Antes de vir para Inglaterra, passei na Fontes Pereira de Melo e reparei numa placa com um grave erro ortográfico. Contudo, como ia a conduzir, não pude registar o facto e nunca mais lá voltei. Mas, hoje fui ver se ainda lá estava...



...e, sim, a placa onde surge escrito "Républica" ainda lá está... Obrigado Google View!

Etiquetas: Google View, Républica

publicada por para mim às Terça-feira, Agosto 18, 2009 0 Comentários Hiperligações para esta mensagem
Lembrar 1994 ou o que o "Público" não disse...


"Presidência da República teme estar a ser vigiada"... Desculpem lá os senhores do "Público" - não, não é "perseguição" - mas acho que faltou neste texto lembrar que, quando Cavaco Silva era primeiro-ministro e o Presidente era Mário Soares, também se falou que poderia haver escutas em Belém. Foi em 1994, na altura em que se encontrou um microfone no gabinete do Procurador-Geral da República, Cunha Rodrigues (26 de Abril). Era uma fase política muito sensível já que se aproximavam as eleições europeias (12 de Junho) e em Belém discutia-se uma possível dissolução da AR. Dias antes da descoberta do microfone na PGR, Soares acabara de fazer uma "Presidência Aberta" dedicada ao Ambiente e Qualidade de Vida, um bom pretexto para o Presidente levantar críticas ao primeiro-ministro e influenciar resultados eleitorais a favor de António Guterres - reeleito secretário-geral do PS a 13 de Março desse mesmo ano. Depois, a 24 de Junho, deu-se a carga policial sobre os manifestantes na ponte 25 de Abril, e começava a contagem decrescente do cavaquismo...

Fada do bosque disse...

Bem, o Orlando desculpe, mas seleccionei mais texto do que queria... foram 2 artigos juntos... paciência... é o que dá ser blogonauta de meia tigela! :))

Só interessa o último texto.
Que grande gaffe! :))
É que esse artigo vem no seguimento do seu... :)
Que chatice...

Abraço!

Fada do bosque disse...

Resumindo, os nossos políticos, salvo raras excepções, são uns grandes intrujões! ahahahahahahah
ahahahahahah
E o povinho vota neles e SEMPRE NOS MESMOS ahahahahahahah e depois queixa-se! ahahahahahahahahah

Fada do bosque disse...

... E andamos nisto... vira o disco e toca o mesmo!
O "berdadeiro" círculo "bicioso"!

Agora pelos vistos, virou-se o feitiço contra o feiticeiro!
ahahahahahahahahah
Eu não digo, que acaba sempre por acontecer?? ahahahahahhah