quinta-feira, agosto 06, 2009

O que se passa nas Guinés?

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Carlos Gomes Júnior, deslocou-se hoje à Guiné-Conacri para uma visita de "algumas horas", acompanhado dos ministros da Defesa, Artur Silva, e dos Negócios Estrangeiros, Adiato Nandigna, e do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas interino, Zamora Induta.

E enquanto isso, o presidente eleito, Malam Bacai Sanhá, escolheu como primeiras visitas, Angola, Cabo Verde, Senegal e Gâmbia.

Em declarações aos jornalistas no aeroporto internacional de Bissau, antes de embarcar, Carlos Gomes Júnior afirmou que se desloca a Conacri para prestar solidariedade do povo da Guiné-Bissau aos "irmãos da Guiné-Conacri que atravessem momentos difíceis".

A Guiné-Conacri corre séries riscos de sofrer sanções por parte da comunidade internacional pelo recente golpe de Estado levado a cabo pelos militares e que mantêm resistências em devolver o poder aos civis.

E então para mostrar solidariedade política é preciso levar dois ministros e também o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas interino? Hum!

Além do estreitamento dos laços de amizade entre Bissau e Conacri, Carlos Gomes Júnior irá esclarecer junto das autoridades da Guiné-Conacri as recentes declarações feitas pelo Presidente Moussa 'Dadis' Camara, segundo as quais elementos ligados ao narcotráfico estariam a tentar desestabilizar o seu país. Hum!

De acordo com o líder da Junta Militar que governa a Guiné-Conacri desde Dezembro passado, elementos ligados ao narcotráfico estariam, a partir de países vizinhos, a tentar desestabilizar o seu país. Entre os países apontados figura a Guiné-Bissau.

Segundo as autoridades de Bissau, na sequência dessas alegações, nunca confirmadas oficialmente, o líder da Junta Militar da Guiné-Conacri ordenou, durante algumas horas, o encerramento das fronteiras com a Guiné-Bissau e alguns países vizinhos.

As autoridades civis e militares da Guiné-Bissau nunca se pronunciaram sobre esse caso, alegando a inexistência de factos oficiais.

Fonte do Governo adiantou à Lusa, entretanto, que a presença do Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Zamora Induta na comitiva do primeiro-ministro visa sobretudo esclarecer "do ponto de vista militar que não existe qualquer intenção de Bissau desestabilizar países vizinhos".

Na altura das denúncias, o líder da Junta Militar no poder em Conacri, capitão Moussa 'Dadis' Camara, dizia que ia perseguir qualquer pessoa que tenha perturbado a ordem na Guiné-Conacri mesmo além das fronteiras do seu país.

Seja! No entanto, cá para mim, há por aí algum gato escondido com o rabo de fora. Isto porque, mais uma vez, o cenário volta a ser o mesmo: narcotráfico, militares, golpes de estado e, é claro, o povo sem comida.

E como nenhuma destas situações se limita a um só país, ou pseudo-país, lá está também a Guiné-Bissau envolvida.

1 comentário:

Fada do bosque disse...

Acredite que pela "volta" que por aqui dei, foi dos blogues mais úteis e interessantes, que se podem encontrar! Grande trabalho! Parabéns :)
O Carlos Narciso, realmente tem bom gosto...

Abraço