sábado, agosto 22, 2009

Um mamarracho na Igreja dos Clérigos

Obra famosa pela sua torre e com a qual forma um conjunto arquitectónico muito conhecido na cidade do Porto (Portugal), a Igreja dos Clérigos é um edifício barroco projectado pelo arquitecto Nasoni que, julgo eu, nunca pensou ver lá o relógio que a foto documenta.

A história da Igreja dos Clérigos, remonta à Irmandade dos Clérigos, que se havia instituído no Porto. A Irmandade resultou da fusão de três instituições de beneficência criadas na cidade durante o século XVII, com a finalidade de socorrer clérigos em dificuldades. Creio eu, contudo, que nessa altura o relógio seria outro...

Eram elas a Confraria dos Clérigos Pobres de Nossa Senhora da Misericórdia, fundada em 1630; a Irmandade de S. Filipe de Nery, fundada em 1665; e por último, a Confraria dos Clérigos de S. Pedro. A nova instituição acabaria logo por juntar, através de esmolas e outras dádivas, capital próprio, mas faltava-lhes uma casa própria ou uma igreja para as suas funções religiosas, pois na altura a instituição funcionava na Igreja da Misericórdia, no Porto.

É, precisamente a 31 de Maio de 1731 que se realiza uma assembleia-geral, presidida por D. Jerónimo Távora e Noronha, principal mecenas de Nasoni, com a finalidade de se decidir sobre a proposta da construção de uma nova igreja para a Irmandade dos Clérigos. Sem aquele relógio, está bom de ver (julgo eu).

Para a construção do novo templo, a Irmandade aceitaria uma doação de um terreno baldio situado no cimo de uma calçada que ia da fonte de Arca até ao Adro dos Enforcados (um terreno fora da antiga muralha fernandina, onde eram sepultados os criminosos sentenciados na forca e os que morriam fora da religião; devido à nova construção da igreja e torre dos Clérigos, aquele adro foi mudado para outro lugar, junto aos terrenos do Hospital de Santo António).

Foi nomeada igualmente uma comissão de quatro irmãos para administradores dessa obra. As propostas para o título de padroeira da igreja foram três: Senhora do Socorro, Senhora das Necessidades ou Senhora da Assunção, ficando esta última.

A primeira pedra da igreja é lançada no dia 23 de Junho de 1732 (não se sabe a hora porque não existia o relógio...), justamente na presença do arquitecto Nicolau Nasoni, tocando todos os sinos dos diferentes templos da cidade ao mesmo tempo para comemorar esse facto.

As obras começaram a seguir a bom ritmo, mas ao fim de algum tempo ficaram totalmente paradas. A razão deveu-se provavelmente a várias intrigas movidas pelo pároco de Santo Ildefonso, preocupado com a ocorrência que o novo templo vinha a estabelecer. Ou por fata do relógio...

A expulsão do mestre pedreiro António Pereira, aliado do referido pároco e a sua substituição por Miguel Francisco da Silva não alterou grandemente o estado das obras. Em 1745, numa vistoria, não foram aprovados os alicerces da frontaria e decidiu-se então que tudo se desfizesse e fosse tudo refeito de novo com a grandeza que a obra parecia merecer.

(...) A obra é um notável exemplo da síntese da arquitectura barroca e rocaille do Norte de Portugal... agora violentada no seu interior pela peregrina ideia de lá colocar aquele relógio, um verdadeiro mamarracho que violenta o interior da Igreja. Digo eu, como é óbvio.

1 comentário:

Fada do bosque disse...

O Orlando é mesmo um escritor brilhante! :)

Diz e diz muito bem, porque no meio de tanta trapalhada que fazem aí no Porto, consegue sempre fazer-me rir!
:)) os seus apartes sõ demais ... :))))