quarta-feira, setembro 09, 2009

As lapidares verdades de Mia Couto

Brilhante como é habitual, Mia Couto diz que “a maior desgraça de uma nação pobre é que em vez de produzir riqueza, produz ricos”.

E acrescenta, em texto publicado no CanalMoz, que são “ricos sem riqueza”, pelo que seria melhor “chamá-los não de ricos mas de endinheirados”.

Rico, diz Mia Couto, “é quem possui meios de produção. Rico é quem gera dinheiro e dá emprego”, sendo que endinheirado “é quem simplesmente tem dinheiro,ou que pensa que tem”. Isto porque, acrescenta, “na realidade, o dinheiro é que o tem a ele”.

Num lapidar retrato da Lusofonia, Mia Couto considera que “são demasiados pobres os nossos "ricos". E expica, “aquilo que têm, não detêm. Pior: aquilo que exibem como seu, é propriedade de outros. É produto de roubo e de negociatas.”

Mia Couto acredita que “não podem, porém, estes nossos endinheirados usufruir em tranquilidade de tudo quanto roubaram. Vivem na obsessão de poderem ser roubados”.

Ou seja, “necessitavam de forças policiais à altura. Mas forças policiais à altura acabariam por lançá-los a eles próprios na cadeia.”

Ou ainda, “necessitavam de uma ordem social em que houvesse poucas razões para a criminalidade. Mas se eles enriqueceram foi graças a essa mesma desordem (....)”

2 comentários:

Manuela Araújo disse...

Excelente frase, excelente abordagem. 100% de acordo consigo e com Mia Couto.

Fada do bosque disse...

Ora aí está uma grande verdade, ou grandes verdades.
Se formos a contar os bons exemplos como homens ricos... contam-se pelos dedos de uma mão e ainda sobra.
Quem lhes meteu na cabeça destes safados, que não se pode enriquecer sem corrupção?! Ou então devem pensar que dá muito trabalho... roubar também dá trabalho... nem que seja, o que têm para esconder e subornar.

Ponham os olhos no Comendador João Nabeiro do café Delta.
Deu uma entrevista no canal2 ao Sérgio, que devia servir de exemplo, a esses borra botas todos que nos roubam.
É o único café que tomo e sempre tomei :))