sábado, setembro 19, 2009

Crime na fronteira do Brasil com o Paraguai

Para os amigos e leitores do Alto Hama, que são sempre solidários, eis mais uma Petição Online que solicita por Justiça. Neste caso para um crime bárbaro cometido contra uma cidadã brasileira de Ponta Porã “sequestrada e levada para Pero Juan Caballero, Paraguay, onde foi barbaramente torturada e assassinada no dia 12 de Agosto de 2009”.

Apresento uma parte do que consta na referida petição e convido a que se associem a mais este pedido para que a justiça seja feita como deve, ao menos castigando os criminosos por tão hediondo crime, para que não fiquem impunes pelo terrível acto que cometeram.

Um excerto:

“Excelência:

A família da cidadã brasileira GICELA MARIA VAN GYSEL MULLER BRUSAMARELLO, professora e artista plástica, que residia na cidade de Ponta Porã/Brasil; sequestrada e levada para Pero Juan Caballero/Paraguay, onde foi barbaramente torturada e assassinada no dia 12 de Agosto de 2009, APELA ás autoridades brasileiras para que intercedam junto à Procuradoria; à Policia de Pero Juan Caballero, bem como, junto ao Governo do Paraguay, para que colaborem no sentido de que sejam entregues ao CONSULADO BRASILEIRO sediado em Pero Juan Caballero e à Policia Brasileira de Ponta Porã, sendo Delelgado o Dr. Clemir Vieira Junior (67-34311279), as cópias de fitas de video do Banco Integração; do banco BBVA; do Banco Regional; da Faculdade UNINORTE e do Hotel Eiruzu, contendo as imagens dos dias 11, 12 e 13 de Agosto de 2008 e a cópia do Inquérito e/ou documentos sobre a investigação em poder da polícia deo Paraguay. Todos esses estabelecimentos estão localizados no Paraguay, na cidade de Pero Juan Caballero.

Tais documentos e, principalmente as fitas, podem conter as imagens dos assassinos; uma vez que eles, após praticarem o horrendo crime e jogarem o corpo da vítima numa área rural de Sanja Pytã, Município de Pero Juan Caballero, trouxeram o carro, marca Peugeot Clio, cor marron, placas HSJ 5354-Ponta Porã-, que pertencia á vítima. Veículo que continha e ainda deve conter as evidências do crime, abandonando-o perto da UNINORTE e HOTEL EIRUZU, na rua Mariscal esquina Maxi-Mercado, no centro da cidade de Pero Juan Caballero.

Os marginais, ao circularem na cidade conduzindo o veículo da vitima, afrontaram abertamente a população, a família e as autoridades, pois que agiam certos da impunidade: de que sairiam livres após o cometimento do horrendo crime.”

2 comentários:

Manuela Araújo disse...

Caro Orlando Castro
Não conhecia esta terrível história, mas parece-me que a petição devia ser corrigida em alguns pormenores: as datas do crime (12/08/2009) e dos filmes que pretendem (11 a 13/08/2008) não coincidem; penso que o automóvel não será um Peugeot Clio.
Estas incorrecções podem fazer com que a petição não tenha qualquer valor, julgo eu.

Fada do bosque disse...

Pronto, já assinei! :))