segunda-feira, setembro 07, 2009

Democracia de barriga vazia ou ditadura com ela cheia? Alguém terá dúvidas?

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Luís Amado, considerou hoje em Bissau ser "absolutamente inadiável" avançar com o programa de reforma no sector de Defesa e Segurança na Guiné-Bissau, para o que a comunidade internacional liberte os apoios prometidos.

O diagnóstico de Luís Amado, embora feito – ou repetido – hoje tem quase tantos anos como a Guiné tem de independência. Mas, se calhar, política é isso mesmo: dizer o óbvio e nada fazer para alterar as coisas. Aliás, se se alterassem os políticos ficariam, ao que parece, sem nada para dizer.

À chegada ao aeroporto internacional de Bissau, onde representará amanhã Portugal nas cerimónias de investidura do novo chefe de Estado guineense, Luís Amado considerou que a comunidade internacional deve "honrar os compromissos" assumidos com a Guiné-Bissau, depois de o país ter completado o ciclo democrático com a eleição democrática de um Presidente da Republica.

Continuo a pensar que Portugal, neste caso, continua a gozar quer com a chipala de todos nós quer, ainda, com a inteligência de alguns.

Ciclo democrático? Votar de barriga vazia, escolher os candidatos ou partidos em função de quem dá um saco maior de arroz ou de fuba, é democracia? É que se é, compreendo bem que entre uma democracia de barriga vazia uma ditadura com ela cheia... a escolha não seja assim tão difícil.

1 comentário:

Fada do bosque disse...

É Orlando, política portuguesa é dizer o óbvio sem nada fazer...
Então não é esse o gajo que foi aos festejos do ditador Khadafi na Líbia?! com os f16 à mistura?!
Então resolveu passar na Guiné para dizer bujardas pela boca fora??
HUM ... isto vai bonito, vai..
Não me diga que foi para ficar bem visto?!
Impostores.