quinta-feira, setembro 24, 2009

Induta chefe do Estado Maior General

O Presidente da Guiné-Bissau, Malam Bacai Sanhá, nomeou hoje o capitão-de-mar-e-guerra, Zamora Induta (foto), chefe do Estado Maior General das Forças Armadas.

Parece-me totalmente desnecessário continuar a falar da Guiné-Bissau, sobretudo porque (como diz a comunidade internacional, onde se inclui a CPLP) as eleições resolvem todos os problemas.

Mesmo assim, vou remando contra a maré. Valerá a pena? Não deve valer, mas...

Recordam-se que o director-geral dos Serviços de Informação do Estado (SIE) da Guiné-Bissau, coronel Antero João Correia, foi detido em Bissau por, ao que parece, se ter recusado a dar cobertura à alegada intentona golpista de 5 de Junho?

A democracia tem destas coisas. Ou se é favor de quem está no poder ou, é claro, vai-se para a choldra. Ou se é a favor ou choca-se com uma bala perdida.

Recordam-se que o coronel Antero João Correia, antigo comandante-geral da Polícia, teria sido detido por ordens do então interino chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Zamora Induta, depois de se recusar a assinar o comunicado do SIE que anunciava a neutralização da alegada tentativa de golpe de Estado?

Recordam-se que esta recusa teria obrigado os mentores do plano a confiar a assinatura do documento ao director-geral adjunto dos SIE, coronel Samba Djaló, que foi apontado como uma pessoa "muito próxima" (pudera!) de Zamora Induta e seu representante a nível do Ministério do Interior que tutela os SIE?

Recordam-se que o coronel Antero Correia teria manifestado a sua recusa por discordar de tais alegações de tentativa de golpe de Estado atribuída a várias figuras políticas e militares, incluindo o ex-ministro da Defesa Hélder Proença e o candidato presidencial Baciro Dabó, que foram mortos na mesma altura?

Recordam-se que o comunicado em causa referia que a morte de Hélder Proença e Baciro Dabó teria resultado dum tiroteio que se seguiu à resistência demonstrada por eles quando as forças da ordem alegadamente pretendiam detê-los pela sua suposta implicação na intentona?

Recordam-se que, embora a custo e com toneladas de medo, as versões apresentadas por familiares e outras testemunhas contrariam a explicação dada no comunicado dos SIE, desmentindo que tivesse havido algum tiroteio antes da morte das duas personalidades?

Recordam-se que esta realidade significa, a ser verdade, que se tratou de "puro assassinato" uma vez que Dabó foi encontrado em sua casa e a domir, enquanto Hélder Proença estava de viagem, por estrada, proveniente da capital senegalesa, Dakar?

Recordam-se que alguns observadores comentaram que o próprio facto de o comunicado dos SIE ter sido publicado sem o consentimento do Governo era revelador da existência de um "poder paralelo" que teria ordenado as execuções e a divulgação documento?

E assim se vai escrevendo a história do princípio daquilo que pode ser o fim da Guiné-Bissau.

1 comentário:

africa em nos disse...

Olá Equipe de Alto Hama, boa tarde!

Ficamos muito contentes com a publicação da matéria “Campanha Fotográfica África em Nós” em seu blog, que com certeza contribui muito para a difusão dessa ação da Secretaria de Cultura de São Paulo.
Como toda campanha cultural tem seu tempo de duração, a campanha África em Nós não podia ser diferente. O prazo para as inscrições vão até dia 30 de Setembro. Ou seja, ainda dá para participar.
Ficaremos honrados caso seja possível a divulgação do término das inscrições.
Vale lembrar que na semana da consciência negra, a campanha África em Nós, com curadoria do fotógrafo Walter Firmo, estará selecionando as 100 melhores fotos para um book especial.
Desde já, agradecemos por tudo e desejamos muito sucesso aos blogs que contribuíram com o sucesso dessa campanha cultural.
Site: www.africaemnos.com.br
Twitter: twitter.com/africaemnos