domingo, maio 16, 2010

Verticalidade de António José Seguro
chateia chefe do posto e sipaios do PS

Tal como o chefe do posto, os sipaios da actual direcção do Partido Socialista convivem mal, muito mal, com as opiniões que sejam diferentes da cartilha oficial de que é autor José Sócrates.

O mal não está em que José Sócrates e os seus lacaios prefiram ser assassinados pelo elogio do que salvos pela crítica. O mal está em que, ao imporem essa filosofia ao país, estão a assassinar igualmente os portugueses.

António José Seguro (o principal rosto da oposição interna ao líder) assumiu em entrevista ao Expresso que um dia poderá ser candidato a líder do PS. O que é que ele foi dizer. Sócrates soltou imediatamente os seus cães de fila, mostrando a razão pela qual tem tantos sipais eunucos, acéfalos e invertebrados no seu harém político-partidário.

Embora não explicitando o alvo, como é típico a atávico nos vassalos de sua majestade, André Figueiredo, secretário nacional adjunto do PS, e chefe do Gabinete do secretário-geral, insurgiu-se contra o conteúdo das declarações de António José Seguro.

Na sua página no Facebook, André Figueiredo escreveu o que o chefe do posto lhe encomendou: "Numa altura decisiva como a que vivemos, ter alguém a olhar para o seu umbigo e a querer mostrar, apenas, que existe e que ninguém lhe liga é um sinal de incapacidade, de falta de cultura política e de solidão do seu pensamento e acção."

Se o valor político de António José Seguro se medisse pelo nível dos seus adversários internos, André Figueiredo amesquinhava-o totalmente. Mas, o chefe do Gabinete do secretário-geral tem de fazer o que lhe mandam...

"Esses sobrevivem em torno de algo que só os próprios conseguem ver. São pessoas sós que não sabem o que significa interesse nacional e que a sua vaidade os cega completamente do rumo certo e assertivo a seguir. Enfim amigos, perdoem-lhe, pois não sabem o que fazem...", acrescentou André Figueiredo numa clara demonstração da posição oficial deste PS: cócoras.

E porque, ao contrário de André Figueiredo, António José Seguro tem uma posição erecta, é que – por exemplo – no dia 4 de Abril, numa nota colocada no seu site a propósito das remunerações do presidente da EDP, disse que “em fase de enormes dificuldades e de exigência de sacrifícios aos portugueses, é incompreensível como se atingem estes valores remuneratórios. É uma imoralidade!”.

Depos disso, em declarações à agência Lusa, António José Seguro reiterou esta posição e observou ainda que a EDP é a empresa mais endividada do mercado de capitais português com 14,007 mil milhões de euros (mais 117 milhões do que em 2008).

Recorde-se que, de acordo com informação enviada pela EDP à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), António Mexia recebeu em 2009, 700 mil euros em salários fixos e 600 mil euros em remuneração variável (que varia segundo objectivos atingidos), juntando a etes valores um prémio plurianual de mandato de 1,8 milhões de euros, que entra nas contas de 2009 e que corresponde a 600 mil euros por cada um dos três anos.

Por outras palavras, o presidente executivo da eléctrica portuguesa recebeu este ano um total de 3,1 milhões de euros.

E é por estas e por outras que tanto o chefe do posto (José Sócrates) como os seus sipaios (André Figueiredo é só um pequeno exemplo) tudo fazem para pôr os portugueses a viver sem comer.

2 comentários:

José Sousa disse...

Boa... gostei desta e não só! Gostei muito, não só de seu blog, mas também do que escreve. tem muita coisa que me esclarece par me manter ligado.
Siga os meus, tem de tudo e alguma poesia de minha autoria. Vá para:

www.congulolundo.blogspot.com
www.queriaserselvagem.blogspot.com

Um forte abração

JG disse...

Portugal precisa é de uma revolução a sério. Não uma revolução de flores.