sábado, abril 26, 2008

Porque não se é Jornalista
seis ou sete horas por dia...

No dia 28 de Dezembro do ano passado, recebi a seguinte mensagem: “Adorei o teu trabalho publicado hoje (“Benazir Bhutto morreu com o povo” – Jornal de Notícias). Ontem pensei que estivesses aí e que serias tu a fazê-lo e estou feliz, hoje, por constatar que tive a sorte de acertar. Ainda que à distância e sem ter tido a oportunidade de trabalhar ao vosso lado, na redacção (só teria a ganhar com isso), sinto-me honrada e emocionada por ter feito parte da equipa. Um Grande Abraço para uma excelente entrada em 2008 e que possam continuar um bom trabalho por muitos anos, com saúde.”

A autora é a Jornalista Sónia Gomes da Silva (foto), actualmente em regime "free-lance", após três anos como correspondente em Paris (2004-2007) do Jornal de Notícias, da Rádio TSF e do Jornal Sol.

Desde 2000 que colabora (dentro ou fora das respectivas redacções) com publicações na área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)/Gestão. Diz que odeia a censura mas adora a racionalidade da política e a política da racionalidade.

“Tenho uma mente independente", diz com toda a razão e da qual eu sou testemunha.

Quem quiser saber mais sobre a Sónia (e verão que vale a pena) visitem a sua nova “casa” em:
http://www.myspace.com/soniagomesdasilva

Quanto a nós, Sónia, talvez nos cruzemos numa qualquer redacção das que, apesar de poucas, ainda vão resistindo por aí.

1 comentário:

Sónia Gomes da Silva (SGS) disse...

Emocionada...

Espero bem que sim, que possamos vir ainda a trabalhar em conjunto.

Um grande abraço da "camarada",

Sónia