quinta-feira, dezembro 11, 2008

As eleições em Angola mostraram que a UE
é produto de fraca qualidade e baixo preço

A Voz da América teve acesso ao relatório da Missão de Observadores da União Europeia, chefiada por Luísa Morgantini, às “eleições” de Angola e verificou que, afinal, a farsa foi vista mas, certamente por ordens superiores, não foi oficialmente denunciada.

Interessante é ver que, mesmo obrigados a comer e a calar, os observadores europeus não deixarem de verificar que, por exemplo, uma província «apresentou uma participação eleitoral de 108%» e que «não foram utilizados os cadernos eleitorais para a verificação dos eleitores no dia das eleições e como tal, não houve mais salvaguarda contra os votos múltiplos além da tinta indelével, e nenhum meio para confirmar as inesperadamente elevadas taxas de participação eleitoral».

O que diz a isto a CNE angolana, a CPLP, a União Europeia, Portugal? Nada. Se fosse a UNITA a ganhar teria caído meio mundo e os arautos da democracia, de Durão Barroso a José Sócrates, teriam reclamado a anulação das eleições. Como quem ganhou foi o eterno amigo MPLA, tudo está certo.

O relatório de Morgantini diz, por exemplo, que a CNE “tomou durante o período de eleições que demonstraram algum grau de parcialidade (...) sendo notória a falta de acesso dos representantes dos partidos políticos ao centro de apuramento central e a não acreditação de um número significante de observadores domésticos do maior grupo de observadores na capital”.

E então? Então nada! É uma aldrabice completa e com total cobertura da comunidade internacional, certamente bem paga por alguma organização filantrópica do tipo Sonangol.

A Missão de Observação da União Europeia diz ainda que «houve falta de transparência no apuramento dos resultados eleitorais», «que não foi autorizada a presença de representantes dos partidos políticos nem de observadores para testemunhar a introdução dos resultados no sistema informático nacional e não foi realizado um apuramento manual em separado”, para além de “não terem sido publicados os resultados desagregados por mesa de voto e como tal não foi possível a verificação dos resultados».

Em qualquer Estado de Direito críticas deste tipo, apesar de suaves e açucaradas, fariam com que as eleições fossem anuladas. Mas, tratando-se de um reino onde vale tudo, nada acontece. E não acontece porque, na minha opinião, tão criminoso é o que rouba como o que manda roubar. Ou seja, a União Europeia é tão criminosa quanto o MPLA, por muito que isso custe a Durão Barroso & Cª.

Segundo o relatório de Morgantini, «desde o período pré-eleitoral notou-se uma manifesta superioridade financeira e organizacional do MPLA em comparação com outras forças políticas».

E porquê presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso?

O relatório diz: “A Misssão europeia assistiu a repetidos casos de abuso dos benefícios do partido no poder durante a campanha, de igual modo, também se registaram casos de uso de recursos do Estado assim como o envolvimento de autoridades tradicionais e de funcionários públicos em actividades relacionadas com a campanha a favor do partido dirigente, situações que colocaram todas as outras organizações políticas em desvantagem».

Tudo isto deveria ser suficiente para Durão Barroso & Cª pedirem a demissão, pedirem desculpa aos angolanos, pintarem-se de negro e irem viver para o Burkina Faso (se este país os aceitasse, o que duvido).

Para a equipa de observadores da União Europeia, «o recente processo eleitoral revelou importantes lacunas e falta de clareza nos regulamentos que ordenam dois aspectos fundamentais no exercício do sufrágio: a utilização efectiva e obrigatória dos cadernos eleitorais em todas as mesas de voto assim como os procedimentos para o exercício, transmissão e contagem dos votos especiais. Para além disso, a falta de directrizes para o registo de angolanos residentes no estrangeiro, tal como previsto pela Lei Eleitoral, efectivamente excluiu um número significativo de cidadãos».

E das duas uma. Ou a Europa assume que os conceitos de democracia, transparência, legalidade e honorabilidade variam consoante os amigos, ou então não tem legitimidade de espécie nenhuma para opinar sobre o que quer que seja, até mesmo em casos extremos como o do Zimbabué.

2 comentários:

Calcinhas de Luanda disse...

A UE prostitui-se por petróleo, diamantes e minérios angolanos.

Gil Gonçalves disse...

Pessoalmente isso não me surpreende, porque pessoas amigas diziam-me a rir «olha, todos os boletins de voto da UNITA, nós os rasgávamos» e não se permitiam, arrancavam-se das árvores, dos candeeiros, cartazes e bandeiras. Jovens eram surrados só porque usavam vestuário da UNITA. E muitas mais diatribes. Também já sabia de antemão que a UNITA ia perder. E que os restantes partidos levariam grande baile.

Os grandes apoiantes foram e continuam a ser a União Europeia, José Sócrates e o Vaticano. Os EUA marimbam-se. Um jogo muito perigoso que deita por terra a democracia deles. Não é por acaso que o terrorismo cada vez mais se fundamenta. Com tanto atentado à democracia que os democratas ocidentais fazem, não me surpreende que os povos horrivelmente oprimidos de todo o mundo… a única defesa que lhes resta, é o ataque demolidor terrorista. No fundo, no fundo, são terroristas contra outras terroristas.

Infelizmente o terrorismo vencerá. Pudera, com tantos imberbes nos poderes democráticos.