terça-feira, outubro 28, 2008

Brasil e Portugal dizem que vão
promover a língua... portuguesa

O Presidente brasileiro, Lula da Silva, e o primeiro-ministro português, José Sócrates, destacaram hoje o compromisso dos dois países para que a língua portuguesa se torne idioma oficial das Nações Unidas e de outras instituições internacionais.

"Temos a obrigação de fazermos um investimento rápido na língua portuguesa", disse José Sócrates na declaração à imprensa ao final da IX Cimeira Brasil-Portugal, que decorreu no Museu Santa Casa de Misericórdia, no centro histórico de Salvador (Baía). Pois. Rápido. Como se diz em Portugal, o que deveria ser feito ontem... se calhar será feito amanhã.

"Já é mais do que hora de que a nossa língua seja adoptada nos fóruns internacionais", assinalou, por seu turno, o Presidente brasileiro. Pela força do Brasil, até acredito que o brasileiro, perdão, o português (mais ou menos) falado e escrito ganhe a força que Lisboa nunca lhe quis dar.

A promoção e a difusão da língua portuguesa no mundo foi o segundo tema de destaque nesta Cimeira de Salvador, onde as atenções se voltaram mais para a crise financeira internacional. Sim, que essa coisa da língua é importante, mas não tanto como o dinheiro que sobra a uns poucos mas que falta a muitos. Cada vez a mais.

Os dois governantes acertaram uma reunião dos ministros da Educação e Cultura da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) nos dias 14 e 15 de Dezembro, em Lisboa, para a definição de estratégias comuns de promoção do português.

Provavelmente José Sócrates vai, entretanto, criar mais uma comissão de peritos, ou de consultores (todos obviamente independentes... mas com cartão do PS) para definir a estratégia.

Ficou decidido também que em 2010, quando se comemoram os 100 anos da República Portuguesa, será celebrado o Ano do Brasil em Portugal e em 2011, o Ano de Portugal no Brasil.

Lula e Sócrates destacaram o excelente nível das relações entre os dois países, cujo comércio (e isso é que conta) registou um crescimento de 72,1% entre 2005 e 2007, para 2 mil milhões de dólares (1,5 mil milhões de euros), com expansão também dos investimentos portugueses no Brasil e vive-versa.

Segundo o Palácio do Planalto, os investimentos portugueses no Brasil estão na ordem dos 8,6 mil milhões de dólares (6,7 mil milhões de euros) e os brasileiros em Portugal rondam os mil milhões de dólares (790 milhões de euros).

E assim, poderemos continuar de facto (ou de fato) de barriga cheia de filé (ou bife), conscientes de que as enquetes (ou sondagens) serão favoráveis aos adeptos (ou à torcida) que usam celular (ou telemóvel). E, pelo sim e pelo não, mantenhamos no freezer (frigorífico) uma fotocópia (xerox) do acordo ortográfico. E, já agora, brindemos com um fino ou com um choupe.

1 comentário:

Mente Despenteada disse...

Sabes quando se diz que o Brasil fala Português com açúcar? A mim, talvez estranhamente, este acordo ortográfico causa-me é azedume...