quarta-feira, outubro 29, 2008

Depois dos diamantes de sangue, a cocaína

A ONU alertou para o facto de cerca de um terço da cocaína que se consome na Europa passar pela África Ocidental, salientando que o dinheiro dos traficantes latino-americanos ameaça a segurança da região.

No total, são pelo menos 50 toneladas de cocaína que passam pela região anualmente em direcção à Europa, sobretudo ao Reino Unido e a Espanha, transportadas desde a América Latina até África em barcos e avionetas, indicou a Agência das Nações Unidas para a Droga e o Crime (ANUDC) num relatório ontem divulgado.

Aquela droga vale no mercado europeu cerca de 1,6 mil milhões de euros, dinheiro que tem um poder de corrupção enorme numa região com alguns dos países mais pobres do mundo.

Se no passado o dinheiro dos diamantes financiou sangrentas guerras civis em países da região como a Serra Leoa e a Libéria, a cocaína poderá agora ocupar o lugar da pedra preciosa com a diferença que o volume de dinheiro movido pela droga é muito maior e ultrapassa o orçamento de muitos Estados.

"A ameaça está a estender-se a toda a região, a Costa de Ouro está a converter-se na costa da cocaína", afirmou o director da ANUDC, António Maria Costa.

Nos últimos três anos a quantidade daquela droga apreendida na zona duplicou a cada ano, passando dos 1 323 quilogramas em 2005 para perto de 6 500 em 2007, embora seja apenas "a ponta do iceberg", dado que as apreensões ocorreram por acidente.

"A maioria da cocaína que passa pela África Ocidental é controlada pelos traficantes colombianos e há um aumento contínuo de colombianos utilizando grupos criminosos africanos para a distribuição secundária da cocaína até à Europa", indicou a ANUDC.

A ONU teme que um grande número das "crianças soldados" e jovens com experiência paramilitar em algumas das dezenas de guerrilhas que existiram na região nos últimos 10 anos possam ser tentados pelo dinheiro da droga. Além das enormes limitações materiais das autoridades, "os fiscais e os juízes não possuem provas ou vontade de levar à justiça poderosos delinquentes com poderosos amigos", diz o relatório.

O responsável da ONU pediu aos países da região uma maior cooperação, reforço da justiça e travar a corrupção "que está a infiltrar as estruturas dos países", além de pedir assistência internacional para parar os traficantes.

"Os cartéis da droga na América Latina aproveitam-se da África Ocidental porque os países da região são vulneráveis. Países pobres como a Guiné-Bissau - que está na zona mais baixa do índice de desenvolvimento humano - são incapazes de controlar as suas costas ou o seu espaço aéreo", afirma a ONU.

1 comentário:

Gil Gonçalves disse...

É o único empreendimento disponível, e o menos trabalhoso. É só empacotar, drogados não faltam. Melhor futuro, o possível, para a África Negra é este, o da droga. Porra! gerir, organizar dá muito trabalho. E apostámos: seremos bonitos Bantus de fato e gravata nos nossos bantustões palacianos a mandar, a chefiar, a chefiar...